sexta-feira, 2 de março de 2012

Ema ema ema?



Estamos em plena era do ema ema ema, cada um com seus problemas. Bem conveniente para quem, nesses dias de tanta concorrência, é solicitado para comprar um problema alheio e não quer ficar se justificando, aí é só fazer uso desse bordão e tudo bem. Explica-se para os outros e para própria consciência.

O interessante que coincide também com uma era de conscientização do que é ético ou não, do que faz bem pra saúde, do que é politicamente correto, do que é ecologicamente correto, dos preceitos de cidadania... Mas mesmo assim, ema ema ema, porquanto estas são leis para consciência e não para coerência; para coação e não para o coração.

Ema ema ema, cada um com seus problemas, equivale a igo igo igo, cada um no seu umbigo. Ou, inho inho inho, cada um no seu mundinho. Observe se não: nas ruas, no metrô, nos cafés, as pessoas estão com seus fones de ouvido, skates, celulares, note book, todos muito conectados,
não com o mundo, mas com seus mundinhos. Todos sabem o que está acontecendo em todos os contextos, mas não consegue enxergar o que está acontecendo do seu lado: uma planta que nasce da rachadura do concreto; um pombo amuado deixando a vida; um sujeito que bebe o resto da coca do Mac Donalds encontrada no lixo; um idoso que tenta ler o letreiro do ônibus e nesse ônibus inúmeros rostos sem expressão e pensando na vida e seus, ema ema ema...

Aceitamos tanto a cultura da auto-ajuda que nos esquecemos do outro-ajuda. E ouve-se o coro: Ando ando ando, cada um se auto ajudando. (eu sei, esse parágrafo ficou curto, e como dizia um professor, se não tiver assunto suficiente para um parágrafo, melhor excluí-lo do texto. Mas como não sou exemplo também de escritor, mantenho-o; além do mais, com essa nota, acabou ficando maior).

Porém, ainda tem uma parte um tanto mais complicada e que lhe fornece ainda mais razão para encolher a mão: é quando você sabe que alguém tem um problema por culpa dela mesmo. Então você diz: ema ema ema... Mas no fundo julgando: seu seu seu, cada um com o que mereceu. E assim, a vida da gente vai seguindo seu curso, constituída só de vencedores, campeões da honestidade, íntegros e escrupulosos que nunca erraram e nem sequer admitem que possam errar... Vida boa! Só terão um problema também, estarão sós.

Não estou dizendo que é simples. A primeira pessoa que lê o que escrevo sou eu mesmo. E espero me importar e importunar muito mais. Temendo o absurdo da solidão em meio à multidão, tento ajudar e me deixar ser ajudado. Que tal tentar? Todo ponto de vista é a vista de um ponto. Se está difícil entender alguém, mude o ponto de observação. Inverta a ordem das coisas, só pra ver se alguma coisa muda.
Leia o ema ema ema ao contrário e ame, ame, ame!

3 comentários:

António Jesus Batalha disse...

Tenho um blog que comecei agora, O Peregrino E Servo. Meu nome é António Batalha, passei e vi seu blog e gostei, quero deixar um convite: Gostava que fizesse parte de meus amigos virtuais no blog Peregrino e Servo, Isto é, se quizer. De volta retribuirei seguindo seu blog também, se desejar colucar meu banner no seu blog me avise. Obrigado.

wilson tonioli disse...

Oi Antonio! obrigado! Vou passar por lá.
abç

Anônimo disse...

Olá!!! Primeira vez no blog! Gostei! parabéns!!!

Laena