quinta-feira, 29 de maio de 2008

O Ponto de Tudo

O ponto é feito para a ponta,
da frase.
O canto é feito para o pranto,
da fase.
O tonto é feito para o conto,
do vigário.
O pranto é feito para o santo,
de casa.
A planta é feita para o canto,
da sala.
O pleito é feito para o ponto,
de vista.
O pinto é feito para o canto,
do galo.
A conta é feita para o olho,
da cara.
A corda é feita para o pomo,
de adão
O curta é feito para o Tonto,
do Zorro.
A pinta é feita para a cara,
de Marilyn.
O Fausto é feito para o quinto,
dos infernos.
O todo é feito para o pouco,
de tudo.

quarta-feira, 28 de maio de 2008

terça-feira, 20 de maio de 2008

Seria mágico se não fosse evangélico: da impossibilidade de a arte existir na religião evangélica (1)

Este assunto é um tanto batido e não sei se você vai ter interesse em ler até o fim. Mas como já havia escrito para o Fórum Cristianismo Criativo, promovido pela W4 Editora no ano passado, vou postando aí em doses homeopáticas.
Embora seja uma compreensão da arte de forma geral, foco no teatro, que é onde estive e estou mais envolvido.

A imaginação

Toda reflexão que tenha o drama como objeto precisa se apoiar numa tríade: quem vê, o que se vê, e o imaginado (Aristóteles).
O evangélico tem dificuldade com a imaginação, vocês sabem. A hermenêutica (quem fornece as leis para exegese) é uma governanta severa e muito respeitada pelos senhores da teologia e zela para que visitas como a Imaginação, a Fantasia, fiquem longe da casa.
O curioso é que lá atrás, mesmo antes de Platão (428-347 a.C.), teologia era feita pelos poetas, que se atreviam a imaginar deus, livres, sem medo e sem a pretensão de falar racionalmente de uma natureza absolutamente além da compreensão humana. A própria igreja incipiente relutou em utilizar o termo, dada tais características. Depois, todos já sabem, vieram a teologia sistemática, a teologia dogmática e tudo ficou muito sério, afinal de contas, dizem, estamos explicando um Deus de “De” maiúsculo.

No teatro o imaginado é fundamental. Não sou amante de Nietzsche não, mas sua obsessão pelo teatro grego e a relação que faz deste com a música, nos faz pensar de como o coro que a entoa, atrai o expectador e o convida a uma visão imaginativa. (O Nascimento da Tragédia). “Intra-visão”, que propõe sair de si, do seu ponto de vista e se fazer parte do coro, que exalta ou se rebela com aquela verdade cênica.
É meio complicado sim, e se eu tiver que ir ao teatro com esse compromisso, talvez eu não vá mesmo... Mas se entendermos isso, essa transformação do público em coro, não como uma eterna revivência do deus que sofre, como entendia o filósofo, mas como um ato de comunhão com a experiência humana em toda sua amplitude, aí então nos será muito mais rica e gratificante a vivência de nos acharmos tão maravilhosamente semelhantes e diversos a um tempo.
Bem, e o que isso tem a ver com o religioso ou o evangélico propriamente?
O sentimento de compromisso para com a vontade de um Deus, que não nos é mais semelhante no sofrimento, mas sim O-Ser-Santo que sempre prevalece, tolhe no crente a capacidade imaginativa de se juntar à cena, pois esta, para ele, já tem predestinado o seu final.
Descendo desse Olimpo: O evangélico se aproxima da arte já com tudo resolvido. Todas as questões equacionadas. Aquele que já vem de uma tradição, traz na mala - mesmo que outros tenham feito essa mala para ele – medo e orgulho (mais sobre isso, escrevo depois). Aquele que está chegando agora, jogou tudo fora do que trazia e sua mala está trancada e a chave está em poder dos seus novos gurus.
É como se toda “arte” que se faça no recipiente religioso, seja feita para outro universo em que o meu esteja sendo apresentado e a expectativa do religioso então, não é o de se olhar, de imaginar, mas, como fosse o operador de luz, apontasse os focos permitindo que o outro veja e se convença da realidade.

segunda-feira, 19 de maio de 2008

ca FÉ com LEI te (4)

?ergunte ao ?astor

31. Podemos dizer que um pastor que não cursou teologia, é um pastor sem pedigree?
32. Os pagãos são aqueles que pagam pela salvação?
33. Qual o graal de dificuldade da última cruzada?
34. Noé saberia dizer com quantos paus se faz uma canoa?
35. Havendo cisão numa igreja Quadrangular, surgirão duas Triangulares?
36. Do cruzamento do louva-deus com a joaninha, nasce uma santa Joaninha?
37. O salmo 119 traduzido para o grego é um salmão a grega?
38. As igrejas tradicionais são contra doações de órgãos?
39. Uma oração coordenada é aquela em que cada sujeito fala na sua vez?
40. O que se vende na loja maçônica?
41. Pastor quando se enfadonha fica de sacro-cheio?
42. Língua comprida não vai ao céu-da-boca?
43. Qual é o salário de quem seguiu a profissão de fé?
44. O Mar Vermelho é porque correu pra ele o sangue do Mar Morto?
45. É verdade que um gremista não entra na Igreja Internacional da Graça?
46. Um carpinteiro que se converte será um bom pregador?
47. Mosquito da dengue que se converte, nasceu do pneumatós?
48. Louva-deus que anda com pulga acredita em purgatório?
49. Quantas emendas já sofreram as sete leis espirituais?
50. Louva-deus que não dá o dízimo é comido por gafanhotos?

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Faixas

Agradeço a Santo Expedito
Dinheiro na hora
Vaga para rapazes
Desconto para aposentados
Recarga de cartucho
Diga não às armas
Azar no amor?
Cultos de cura
Desculpe o transtorno
Consulta sem compromisso
Dia da noiva
Promoção para banho e tosa
Massagem tailandesa
Perca a barriga
Em exposição
Nunca feche o cruzamento
Fecharemos neste sábado
Venda de cavalos
Venha fazer um test drive
Vidente atende a domicílio
Cão perdido atende pelo nome de Marx
Marido de aluguel
Doam-se filhotes
Pontos na carteira?
Passa-se o ponto
Procura-se cadela
Alê, sempre vou te amar!
Curso para noivos
Sexo ao vivo toda sexta
Matriculas abertas
Próxima sexta, tráfego interditado
Contrata-se moto-boy
Comida por quilo
Pés e mãos em promoção
Droga de plantão
Diga não às drogas!
Professores em greve
Disk impotência
Já estamos funcionando
Elvis não morreu!
Família muda e vende tudo
Mudamos para o número mil
Aqui o milagre acontece!
Fogos de artifício aqui
Desvio
Fazemos seu imposto
Pare de sofrer!
Criança doente
Tratar com o proprietário.
Feijoada todo sábado
Jejum pelos doentes no domingo
Ganhe formas com Lipoaspiração
Encha o tanque e ganhe uma aspiração
Jogo búzios
Proibido jogar entulho
Renove sua carteira
Renovação carismática
Sob nova direção
Breve aqui, sex shop
Hoje! Culto com pastor que ressuscitou
Aulas particulares
Faça justiça! Prisão ao casal!
Já temos o DVD “Somos Todos Um”
Estacione aqui
Faço faixas

terça-feira, 13 de maio de 2008

Doce Carolina


"...Bons tempos nunca pareceram tão bons;
eu tenho me inclinado
a acreditar, eles nunca seriam,
mas agora eu olho a noite
e isso não parece tão solitário,
nós satisfazemos somente a nós dois
..."

segunda-feira, 12 de maio de 2008

sexta-feira, 9 de maio de 2008

Isabella, o Padre e Ronaldo

O que existe - se existe – de comum no caso da menina Isabella, do padre que sumiu nos balões e do “escândalo” de Ronaldo, que tomaram a mídia e a mérdia nos últimos dias? E por que será que interessa tanto à sociedade?
Também não sei. É só mais um pau-pite dentre tantos.

A Isabella foi lá pro céu;
o padre foi lá no céu;
o Ronaldo foi lapso seu.

Isabella perdeu com tratos;
o padre perdeu contato;
Ronaldo perdeu contrato.

A Isabella subiu;
o padre sumiu;
Ronaldo assumiu.

Isabella está com Deus;
o padre escafedeu;
o Ronaldo escondeu.

Isabella é só menina;
o padre é só neblina;
Ronaldo é só menino.

Isabella desaparece;
O Padre S.O.S;
Ronaldo e o que parece.

A Isabella comoveu;
o padre se moveu;
Ronaldo como vê...

Isabella, pra que se recorde;
o padre pra quebrar recorde;
Ronaldo pra que não recorde.

Isabella, bela em paz;
O padre, balão e gás;
Ronaldo, bolão e rapaz.


Do pouco que sei,
sei que isso revela o outro lado de nossa lua;
o lado não brilhante e escurecido
que nossa própria luz sombreia.

Quanto mais criminosos ver presos,
mais cidadão de bem me vejo.
Com quanto mais loucos a voar me deparo,
mais são e pé-no-chão me sinto;
Quanto mais os imorais me escandalizam,
mais provido de princípios me acho.

Quando o mal acabar,
sim, e só quando,
haverá motivo para me desesperar.

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Cortes


Com licença para um reclame: Marcus e Tânia são meus professores lá no Indac.

Ainda não vi a peça, mas conheço o trabalho dos dois. Recomendio.


SINOPSE:

Em uma metrópole chuvosa, seis pessoas encontram-se em dilemas existenciais. Os conflitos estabelecidos modificarão profundamente o rumo de suas vidas, trazendo à tona o vazio e a fragilidade de sua existência. Um executivo, uma secretária, uma vendedora, um músico e um casal vivem momentos de perdas, descobertas e transformações. Conflitos entre pessoas que estão no limite. Momentos em que uma simples escolha pode mudar tudo. Um corte seco e silencioso sobre seis destinos.


Cortes
Direção: Marcus Paulo Tavares
Texto: Rodolfo Araújo (em colaboração com Teatro do Silêncio)
Elenco: Ana Alves, Antonio Aurrera, Debora Omaki, Ricardo Peres, Rodolfo Araújo e Tania Kesselman
Cenário e trilha sonora: Marcus Paulo Tavares
Iluminação e fotografias: Ricardo Peres
Produção: Taís Rios e Guto Mendonça
Operador de luz: Thiago Codinhoto
Operador de som: Gerson Almoster
Duração: 70 minutos
Idade: a partir de 16 anos
Dias e horários: Terças-feiras, às 21hs (de 13 de maio a 03 de junho de 2008)
Ingressos: R$ 10 (meia-entrada) e R$ 20

Local:
Viga Espaço Cênico (74 lugares)
R. Capote Valente, 1323 – a duas quadras do metrô Sumaré.
Tel.: (11) 3801.1843

ca FÉ com LEI te (3)

? ergunte ao ?astor
tudo o que você sempre quis saber sobre igreja, mas tinha medo de ser excluído.

21- Um excelente fotógrafo tem o dom da revelação?
22- Só um crente -cego pode decretar: "está amarrado"?
23- Malaquias era um profeta chato?
24- Salomão já estava careca de saber?
25- Qual a idade das trevas?
26- Se um contador se converte, ele cobra pra contar as bênçãos?
27- A teologia da libertação é incompatível com a teologia do "tá amarrado"?
28- O bispo está sempre atrás de um pião?
29- O amor cego e a fé cega precisam de um bom pastor alemão?
30- Um protestante come arroz-papa?

terça-feira, 6 de maio de 2008

Já fizeste reserva da parte que te cabe?

Acaso protege?


Um ótimo trabalho do meu confrade e confidente João Ali.

domingo, 4 de maio de 2008

Evitei e tive (palindrosia)

Procurei um nome pra isso aí. Um jeito novo de fazer poesia, onde cada verso é um palíndromo. Acho que não há classificação para isso na literatura, então chamei de Palindrosia.
Não sei ao que mais se presta além de permitir que um judeu também o possa ler, mas enfim...

Evitei e tive

Evitei e tive
ódio doido...
Até o poeta
acata e ataca
o cínico.
O ânimo domina-o;
a sua causa
ele
ata, berra, arrebata...
Aviar a raiva,
evitei e tive.

quinta-feira, 1 de maio de 2008